‘MDB deve disputar eleição em 2020; comigo ou sem mim’, defende ex-prefeito que é pré-candidato

Numa entrevista que durou pouco mais de 50 minutos, o pré-candidato discorreu sobre temas e pontos importantes da administração.

Ex-prefeito Daltro Fiuza em entrevista ao Região News. - Foto: Vanderi Tomé/Região News

Principal liderança política do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), o ex-prefeito Daltro Fiuza, foi o terceiro entrevistado pelo RN na condição de pré-candidato a prefeito de Sidrolândia. Detentor de 4 (quatro) mandados e líder na preferência do eleitor em todas as amostragens feitas de opinião pública até aqui, Fiuza está confiante de que vai superar os inúmeros processos e condenações que responde na Justiça e, registrar candidatura após as convenções partidárias de 2020.

Numa entrevista que durou pouco mais de 50 minutos, o pré-candidato discorreu sobre temas e pontos importantes da administração pública como, por exemplo, Saúde, Educação, Agricultura Familiar, entre outros assuntos. Já na questão política, disparou que sua pré-candidatura é pra valer e caso fique impedido por questões judiciais, defende que o MDB tenha candidatura própria.

“Olha, a aliança com o atual prefeito, construído em 2016 cuja articulação eu não participei, é para este mandato. Acredito que o momento é outro. O ex-governador André Puccinelli, com quem tenho tratado de assuntos inerentes ao partido, será candidato ao Governo do Estado. O próprio André defende que tenhamos uma candidatura, já que o partido em Sidrolândia é atuante, forte, dispõe da maior bancada na Câmara”, argumenta.

Em sua avaliação, o MDB não pode figurar nas eleições do ano que vem como mero coadjuvante. “Partido que não disputa eleição não cresce, não aparece e muito menos constrói uma opção para a sociedade. Temos causa, história, legado e isto faz do MDB uma das principais agremiações partidárias da cidade”, ressalta.

O empresário Acelino Cristaldo, que disputou duas eleições pelo MDB (2012/13), foi citado pelo ex-prefeito, dentre outros nomes, como alternativas à sua sucessão numa eventual disputa pelo comando da Prefeitura Municipal. “Temos bons nomes no partido e vejo que os meus companheiros, anseiam em ver o MDB novamente na cabeça de chapa”, comenta.

Para sustentar sua pré-candidatura, Daltro Fiuza, diz que todos os processos que responde na Justiça são de ordem administrativa e que não há, em nenhuma das condenações, crimes de corrupção passiva ou ativa. “Vou falar a palavra popular, nunca roubei nada, muito menos, me aproprie do que é público ou obtive algum favorecimento da coisa pública. Os processos são de ordem contábil, a exemplo da reprovação das contas pela Câmara de Vereadores”, justifica.

Com este argumento, o ex-prefeito diz que seus advogados reforçam a tese de que não será enquadrado na Lei da Ficha Limpa, que prevê, entre outros princípios da administração pública para tornar-se um ex-gestor inelegível, o dolo. Assista na integra a entrevista concedida como pré-candidato ao RN.

Ex-prefeito Daltro Fiuza diz que pré-candidatura é pra valer

“MDB deve disputar eleição em 2020; comigo ou sem migo”, defende ex-prefeito que é pré-candidato

Publicado por Regiao News em Quarta-feira, 16 de outubro de 2019