Cinco parlamentares do PSL pedem expulsão de Eduardo Bolsonaro do partido

Filho do presidente Bolsonaro, deputado está envolvido na crise que atinge a legenda.

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro — - Foto: REUTERS/Adriano Machado

Cinco parlamentares filiados ao PSL informaram nesta quinta-feira (24) ter protocolado em cartório um pedido de expulsão do deputado Eduardo Bolsonaro do partido.

O pedido é direcionado ao presidente da legenda, Luciano Bivar, e ao conselho de ética do PSL.

Filho do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo é o atual líder do PSL na Câmara dos Deputados e preside o diretório paulista da legenda.

O deputado está envolvido na crise que atinge o partido, agravada na semana passada quando o grupo aliado a ele e a Jair Bolsonaro se articulou para destituir o então líder do PSL na Câmara, deputado Delegado Waldir (PSL-GO), ligado a Bivar.

  • Senador Major Olímpio (PSL-SP), líder do partido;
  • Deputada Joice Hasselmann (PSL-SP);
  • Deputado Coronel Tadeu (PSL-SP);
  • Deputado Júnior Bozzella (PSL-SP);
  • Deputado Abou Anni (PSL-SP).

No início da tarde desta quinta-feira, Eduardo Bolsonaro esteve na Câmara e foi questionado sobre o pedido de expulsão do partido. Ele respondeu que ainda não foi notificado.

"Estou esperando ser notificado oficialmente de qualquer dessas decisões. Porque, até agora, não sei, as pessoas estão falando, mas quem é que está movendo, onde é que está protocolado isso? Para mim, não chegou nada oficial", declarou.

O que argumentam os parlamentares

Ex-líder do governo no Congresso Nacional, a deputada Joice Hasselmann disse que o pedido é baseado em "ilegalidades" que teriam sido cometidas "lá dentro de São Paulo".

Joice deixou o posto de líder um dia depois de ter apoiado a lista que mantinha Delegado Waldir na liderança do PSL. No último fim de semana, ela disse que o governo agiu para dar um "golpe" no PSL.

"O pedido que nós fizemos é um pedido já oficial de expulsão do partido, por conta das ilegalidades cometidas lá dentro de São Paulo. E também, de afastamento da executiva e até mesmo de suspensão do PSL, de expulsão da legenda", afirmou Joice.

Como exemplo, os parlamentares disseram que Eduardo destituiu diretórios municipais e os substituiu por comissões provisórias.

"O Judiciário já reconheceu, liminarmente e em pelo menos duas oportunidades, que os representados abusaram seus poderes enquanto administradores do PSL de São Paulo e constituíram Comissões Provisórias Municipais em detrimento dos Diretórios municipais definitivamente criados, nos termos do Estatuto", aponta o documento.

"Isso contraria a determinação do TSE de constituição de Diretórios e Comissões Executivas definitivos, em substituição às comissões provisórias, bem como a democracia partidária, prevista no Estatuto", conclui o pedido.