4,8 milhões de desempregados buscam trabalho há pelo menos 1 ano

No 3º trimestre, 3,2 milhões (1 em cada 4 desempregados) procuravam uma fonte de renda há mais de 2 anos.

- Foto: Divulgação

Dados divulgados nesta terça-feira (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que 4,85 milhões de brasileiros desempregados procuram trabalho há pelo menos 1 ano.

A taxa de desemprego no país ficou em 11,8% no 3º trimestre, atingindo 12,5 milhões de brasileiros, conforme já divulgado anteriormente pelo IBGE, após ficar em 12% no trimestre anterior.

Do total de desempregados, 3,2 milhões (25,2% do total) procuravam trabalho há dois anos ou mais e 1,7 milhão (13,6%) entre 1 ano e 2 anos. Outra parcela de 1,8 milhão (14,4%) buscava trabalho há menos de um mês. A maior fatia, um contingente de 5,8 milhões (46,9%), estava desempregada entre 1 mês e menos de 1 ano.

Apesar do número ainda elevado de desempregados, houve queda de 3,6% (menos 183 mil) no chamado desemprego de longa duração. No 3º trimestre de 2018, eram 5 milhões que procuravam trabalho há pelo menos 1 ano.

O número de desempregados há pelo menos 2 anos diminuiu 1,2% (menos 37 mil) na comparação anual. Considerando apenas os meses entre julho e setembro, foi a primeira queda em 5 anos no número de desempregados à espera de trabalho há mais de 2 anos. O número de pessoas nessa condição, entretanto, mais que dobrou nos últimos 7 anos. Em 2012, eram 1,4 milhão.

Os dados do IBGE mostram ainda que o número de desalentados (aqueles que desistiram de procurar emprego) foi de 4,7 milhões de pessoas no 3º trimestre.

A geração de postos de trabalho em 2019 tem sido puxada pela informalidade. Na comparação com o trimestre anterior, houve alta de 2,9% no emprego sem carteira assinada, que registrou 11,8 milhões de empregados, e crescimento de 1,2% de trabalhadores por conta própria, que chegaram a 24,4 milhões de pessoas.

Pretos ou pardos são 65% dos desempregados

Os números do IBGE também mostram que o desemprego continua maior entre negros, mulheres e jovens.

taxa de desemprego chegou a 25,7% na faixa de 18 a 24 anos.

No 3º trimestre, 65,2% do total de desempregados no país eram pretos ou pardos. Os brancos representam 34%, e pessoas de cor preta respondiam por 12,7%.

Apenas a taxa de desocupação de brancos (9,2%) ficou abaixo da média nacional, enquanto a de pardos foi de 13,65%; e a de pretos, 14,9%.

Na divisão por sexo, a taxa de desemprego ficou em 10% para os homens e 13,9% para as mulheres.

"A taxa de desocupação das mulheres foi 39% maior que a dos homens, porém essa diferença já foi de 64,5% no primeiro trimestre de 2012", destacou o IBGE.

Na análise por escolaridade, a maior taxa de desemprego foi observada no grupo com ensino médio Incompleto ou equivalente, atingindo 20,6% no 3º trimestre. Já a menor é entre aqueles com ensino superior completo (5,9%).