Alfa planeja para abril início da implantação da unidade de produção e detalha contrapartida da Prefeitura

Na manhã desta sexta-feira, dirigentes da cooperativa, se reuniram com o prefeito Marcelo Ascoli e integrantes do secretariado.

Na manhã desta sexta-feira, dirigentes da cooperativa, se reuniram com o prefeito Marcelo Ascoli e integrantes do secretariado. - Foto: Divulgação

A partir de abril, quando a soja plantada na área estiver colhida, a Cooperalfa vai iniciar a implantação da UPL (Unidade de Produção de Leitões), na largada do projeto de trazer para Sidrolândia a suinocultura.

Na manhã desta sexta-feira, dirigentes da cooperativa, se reuniram com o prefeito Marcelo Ascoli e integrantes do secretariado, para ajustar as contrapartidas do município, expressas numa carta de intenção assinada em abril do ano passado, quando a cidade disputava com Nova Alvorada Sul, Campo Grande e Dourados, o projeto que em 10 anos exigirá investimento de R$ 200 milhões.

O município se livrou do encargo mais dispendioso, a compra de uma área de 200 hectares. No mês passado a cooperativa consumou a compra, por R$ 6,4 milhões de 324 hectares, desmembrados da Fazenda Limoeira, às margens da MS-162, entre Sidrolândia e a antiga estação Pequi, sentido Maracaju, a 25 quilômetros do perímetro urbano.

A Prefeitura não vai precisar custear a instalação da rede de abastecimento de água, que a própria cooperativa se encarregará de implantar. Serão feitas gestões junto ao Governo do Estado, para que insira no projeto de recapeamento da MS-162, a construção de uma rotatória no trecho da estrada em frente da área onde será implantada a UPL.

Nesta fase inicial do projeto, a Prefeitura terá de executar 80 mil metros quadrados de terraplanagem; iniciar gestões para a instalação da energia elétrica; alargar (ajustamento a largura da pista da rodovia) o acesso de um quilômetro da MS-162 até a propriedade.

Na versão inicial da carta de intenção, o município teria de executar 40 mil metros de pavimentação (aproximadamente 4 quilômetros) do acesso e das vias de circulação interna, além da isenção do ISSQN da construção.

A reunião desta sexta-feira teve a participação do 1º vice-presidente da cooperativa, Cladis Furlanetto, do 2º vice-presidente Edilamar Wons, do gerente da unidade em Sidrolândia, Altair Vieira de Almeida; como também do corretor de imóveis Clédio Santiani, que auxilia a Cooperativa no processo de instalação da UPL.

O projeto

Conforme as projeções da Alfa, a implantação da Unidade de Produção de Leitões vai exigir um investimento de R$ 75 milhões, sendo R$ 60 milhões numa granja de 55 mil metros quadrados para 10 mil matrizes; R$ 8 milhões para a construção de sete creches de 14,6 mil metros quadrados, com capacidade para 40 mil cabeças.

A fábrica de ração com capacidade para produzir 10 mil toneladas vai custar R$ 10 milhões; R$ 50 milhões na implantação de 22 terminações para 110 mil cabeças e mais R$ 55 milhões para capital giro. A fábrica será instalada numa área de 21 hectares próxima a sede da cooperativa na saída para Campo Grande.

Conforme o cronograma, esse ano de 2019 será dedicado a definição da área e dos produtores integrados para a instalação de 100 unidades de engorda dos leitões; licenciamento ambiental, captação de recursos para o investimento. No planejamento de 2020 está a construção da Unidade de Produção de Leitão e da fábrica de ração e em 2022, a UPL começa a funcionar, com alojamento de 2.500 matrizes; elevando para 2.875 matrizes em 2023, chegando em 5.750 nos dois anos seguintes, aumentando gradativamente ano a ano, até chegar em 2032, a 11.500 matrizes, com produção anual de 350 mil leitões de 23 quilos.

Só em 2023 começa a produção de leitões (75 mil por ano) que serão engordados e preparados para abate no Frigorífico da Aurora em São Gabriel do Oeste, em 100 granjas instaladas por produtores integrados ao projeto, num formato parecido com a do frango. O investimento total será de R$ 200 milhões.