‘Preocupação é com a segurança dos usuários de aplicativos’, diz secretário

Para explorar o serviço, segundo o secretário, a empresa também precisa passar por uma avaliação técnica.

Secretário de Governo da Prefeitura Municipal de Sidrolândia, Clayton Ortega - Foto: Vanderi Tomé/Região News

O secretário de Governo da Prefeitura Municipal de Sidrolândia, Clayton Ortega, diz que foi mal interpretado por usuários de aplicativos, ao questionar o conjunto de normas e regras para que empresas de transporte alternativo explorem os serviços na cidade. “Nossa preocupação é com a segurança do indivíduo que vai se utilizar deste meio de transporte”, diz Ortega.

Para explorar o serviço, segundo o secretário, a empresa, além de cumprir com as exigências burocráticas, precisa passar por uma avaliação técnica nos órgãos de controle que vai checar desde as condições do veículo aos antecedentes do condutor.

“É comum os meios de comunicação noticiar tragédias envolvendo condutor de aplicativo que estuprou, assaltou e até mesmo, tirou a vida de passageiros. Nossa cidade está crescendo e é natural que o progresso traz as inovações em todos os aspectos econômicos, mas nós, na condição de gestores, temos que nos munir de todas as formas para proteger nossos munícipes”, enfatiza.

O secretário garante que não é contra o serviço de empresas que atuam neste segmento, mas como a atividade ainda é pouco explorada na cidade, é natural que as discussões se intensifiquem a partir de agora: “Já li alguns comentários nas redes sociais de pessoas e usuários inclusive nos criticando. A crítica é bem-vinda sempre”, comenta.

Ortega explica que a empresa Chofer Livre, pode explorar os serviços, desde que cumpra as exigências contidas na Lei. “Esta é uma atividade que ainda está em fase de regulamentação na cidade de Sidrolândia, por esta razão, toda esta polêmica. Estamos trabalhando muito junto com o Departamento Jurídico da Prefeitura para encontramos a melhor solução”, finaliza.

Segundo o secretário, o alvará expedido para a empresa citada, não poderia ter sido emitido porque não houve consulta à Coordenadoria Executiva de Trânsito, daí porque também será avaliado o procedimento do funcionário que assinou o documento no Setor de Tributos do município.

O compromisso de aprofundar a regulamentação do serviço foi assumido pelo próprio secretário numa reunião com participação do procurador Luiz Palermo, durante reunião na última nesta sexta-feira com taxistas e mototaxistas. “Acredito que a chegada da tecnologia é inevitável, porém, temos a responsabilidade de garantir ao cidadão, a segurança e qualidade dos serviços que serão prestados”, finaliza.