Na estreia como líder, Gerson diz que vai dialogar com blocos e oposição

Claro revelou que neste diálogo com os blocos (partidários), disse que vai consultar constantemente o deputado Londres Machado.

Líder do Governo na Assembleia, o deputado Gerson Claro - Foto: Luciana Nassar/ALMS

Na sessão plenária em que estreou como novo líder do Governo na Assembleia, o deputado Gerson Claro, reafirmou seu compromisso com o diálogo com todas as forças políticas em busca do entendimento para aprovação dos projetos de interesse do Estado.

“O Executivo estadual terá um diálogo franco com os blocos partidários e oposição, sobre novos projetos para 2020”, afirmou. Lembrou que ano passado foram tomadas medidas “impopulares”, mas que os deputados apoiaram as ações que eram necessárias devido a crise econômica.

“Vamos trabalhar com diferentes personalidades, tendo o desafio de ter um diálogo com todos, em discussões que vamos compartilhar com os blocos, trazendo as explicações técnicas sobre os projetos, assim como retirando dúvidas”, disse o parlamentar.

Claro revelou que neste diálogo com os blocos (partidários), disse que vai consultar constantemente o deputado Londres Machado (PSD), líder do G-11. “É um mentor indispensável para qualquer tema ou discussão que ocorrer dentro da Assembleia”.

O antigo líder (Governo), o deputado José Carlos Barbosa (DEM), ao deixar a função, agradeceu aos colegas pelo apoio e diálogo no ano passado. “O líder traz à Casa de Leis pautas nem sempre populares, jogamos uma semente em terreno árido. Nem sempre as propostas são entendidas imediatamente, e combatemos o bom combate, com respeito e lealdade”, ponderou.

Barbosa ponderou que a oposição é importante neste debate. Pedro Kemp (PT) inclusive reconheceu que todas as vezes que procurou a liderança do Governo na Assembleia, recebeu respostas do colega.

Mudança – O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) trocou a sua liderança na Assembleia, porque o deputado (José Carlos Barbosa) que ocupou a função no ano passado, já anunciou a pré-candidatura a prefeitura de Dourados, e terá que se dedicar a campanha eleitoral. Já Gerson Claro foi escolhido porque além de ter feito parte da gestão tucana, era atuante na base aliada.