‘Fator’ Daltro deixa suspensas alianças para eleição

No campo político fora do PSDB, ninguém se arrisca antecipar em que palanque vai afastar.

Ex-prefeito Daltro Fiuza é apontado como favorito na disputa. - Foto: Vanderi Tomé/Região News

Apontado como favorito, pelo menos é o que demonstraram as últimas pesquisas divulgadas, a presença ou não do ex-prefeito Daltro Fiuza na disputa, condicionam praticamente todas as conversas em curso sobre alianças para outubro. No campo político fora do PSDB, ninguém se arrisca antecipar em que palanque vai afastar.

Com exceção do próprio ex-prefeito, que publicamente manifesta plena confiança do registro da sua candidatura na Justiça Eleitoral, seus adversários apostam que ele estará fora da disputa.

Até os vereadores que são da base do prefeito preferem não se comprometer com o projeto dele de reeleição. Os vereadores ligados ao deputado Gerson Claro, como Edno Ribas, Kennedi Forgiarini, Otacir Figueiredo, além dos emedebistas Carlos Tadeu e Jonas Rodrigues, vão estar no palanque de Fiuza, se de fato existir.

Gerson, embora seja aliado do governador tucano Reinaldo Azambuja, de quem é líder na Assembleia, não cogita apoiar o pré-candidato do PSDB, Enelvo Felini.

O prefeito acredita que sem Daltro na disputa quem apoia o ex-prefeito vai estar no seu palanque, como aconteceu em 2016. Há quem acredite que com Fiuza no páreo, o prefeito nem disputa a reeleição.

Discretamente, setores do MDB estão se precavendo desta possibilidade (Daltro sai da disputa e vai pra casa). Trabalham numa terceira via. O MDB deve ter candidato. O próprio vice-prefeito Wellison Muchiutti, que foi catapultado a está condição diante da desistência de Daltro às vésperas da convenção. Em postagem nas redes sociais garante que não vai repetir seu voto de 2016, numa demonstração de arrependimento do apoio dado ao prefeito há 4 anos.