Polícia Civil indicia e pede prisão preventiva do suspeito que matou Dirceu Lanzarini

Luis Fernandes ainda está foragido; ele e o patrão se desentenderam sobre valor de comissões da lavoura.

Perfurações de bala na caminhonete de Dirceu Lanzarini; Funcionário da fazenda descarregou o revólver a curta distância - (Foto: A Gazeta News)

O delegado Marcos Werneck, da Polícia Civil de Amambai, que conduz as investigações sobre a morte do ex-prefeito de Amambai e atual assessor especial do Governo do Estado, Dirceu Lanzarini, indiciou e pediu a prisão preventiva de Luiz Fernandes, acusado pelo crime.

O suspeito, que continua foragido, deve responder pelos crimes de homicídio qualificado, tentativa de homicídio qualificado e porte de arma de fogo de uso restrito.

Investigação da Polícia Civil de Amambai indica que Luiz Fernandes, 54 anos, o "Luiz Paraguaio", pode ter premeditado o crime, isso por que o autor deixou a família, que sempre estava com ele na fazenda, na cidade e pelo fato de ele estar com a arma do crime na cintura, o que as investigações apontam é que ele não mantinha este hábito.

No dia do crime Dirceu Lanzarini e o genro foram até a Fazenda Palmeiras e de dentro da caminhonete conversaram com Luiz Fernandes. Uma das versões aponta que houve uma discussão entre patrão e empregado por que Dirceu e Luiz Fernandes discordavam dos valores referentes às comissões sobre a produção da fazenda.

Outra versão é que Dirceu teria questionado Luís Fernando o porquê de ainda não ter feito o plantio em uma área específica da fazenda. Esta versão é com base no depoimento de Keslei Matricardi, o genro de Lanzarini.

Parado ao lado da caminhonete, Luís Fernandes entendeu o questionamento como um insulto e teria respondido: "está nervoso por que"? Em seguida, sacou a arma e disparou seis tiros, a curta distância, na direção dos dois ocupantes do veículo.

Depois que cometeu o crime Luís Fernando falou rapidamente com familiares e disse que iria fugir por que havia atirado no patrão. Há a hipótese de ele ter fugido para o Paraguai, logo que, o país vizinho está há menos de 50 km do local do crime.

Do lado brasileiro da fronteira as investigações que são conduzidas pelo delegado Marcos Werneck, da Polícia Civil de Amambai, conta com uma força tarefa para capturar o suspeito, que envolve agentes da Polícia Civil, do Departamento de Operações de Fronteira (DOF), da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Fronteira (Defron) e Batalhão de Operações Especiais (Bope), da Polícia Militar.