Com 2 operações, PF combate contrabando e mira policiais rodoviários federais

Cem por Cento, nome de uma das ações, é em alusão à forma como os criminosos diziam que a carga passaria tranquila pela polícia

Veículo BMW apreendido em Juti durante operação da Polícia Federal. - (Foto: Divulgação/PF)

Com duas operações simultâneas na manhã desta quinta-feira (6), a PF (Polícia Federal), com apoio da PRF (Polícia Rodoviária Federal), combate o contrabando de cigarro corrupção e rede de policiais que dava suporte para o livre trânsito em Mato Grosso do Sul do produto oriundo do Paraguai.

Batizadas de Managers (gerentes, em iglês) e Cem por Cento (alusão à forma como os criminosos de comunicavam quando o cigarro passava pelo posto de fiscalização), as ações cumprem 10 mandados de prisão e 18 mandados de buscas e apreensão em dez cidades: Naviraí, Juti, Eldorado, Mundo Novo, Japorã, Rio Brilhante, Nova Alvorada do Sul, Dourados, Campo Grande e Umuarama. As operações envolvem 110 policiais.

Conforme a investigação, as quadrilhas movimentavam centenas de carretas de cigarros. Os integrantes do esquema criminoso cooptaram servidores públicos, em especial policiais rodoviários federais, para facilitar o tráfego do contrabando.

Na engrenagem do esquema criminoso, havia os gerentes, que comandavam as redes de transportadores, batedores, olheiros e faziam contato com os “garantidores” (agentes públicos cooptados).

Essa nova etapa utilizou provas emprestadas obtidas em operações policiais de repressão ao contrabando, com autorização da Justiça Federal. A PF não detalhou quais. No entanto, no ano passado, foram realizadas a operação Trunk e Teçá. Será realizada coletiva de imprensa às 10h, na Superintendência da Polícia Federal, em Campo Grande.