Após anunciar teste negativo para coronavírus, Bolsonaro volta a trabalhar no Planalto

Presidente fez exame na quinta (12) após a confirmação da contaminação do secretário de Comunicação do Planalto, Fabio Wajngarten.

O presidente Jair Bolsonaro (ao fundo) cumprimenta apoiadores ao deixar o Palácio da Alvorada após ter anunciado que teste de coranavírus deu negativo — - Foto: Guilherme Mazui / G1

Após anunciar pelas redes sociais que deu negativo o teste que fez para identificar a presença do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro deixou a residência oficial do Palácio da Alvorada no início da tarde desta sexta-feira (13) e voltou a trabalhar no Palácio do Planalto.

Ao sair do Alvorada, o presidente parou para conversar com apoiadores. Ele ficou a uma distância de cerca de três metros do grupo. Diariamente, Bolsonaro costuma cumprimentar, abraçar e fazer "selfies" com os visitantes.

“Apesar de o meu teste ter dado negativo, eu não vou apertar a mão de vocês. Nunca tinha visto ali qualquer problema. Se bem que, para a imprensa que está ouvindo ali, se eu tivesse com o vírus ou não tivesse, não estaria sentido nada. Vida segue normal, um grande desafio pela frente, muitos problemas para serem resolvidos”, afirmou o presidente.

Na quinta e na manhã desta sexta, Bolsonaro recebeu auxiliares e ministros na residência oficial. Nesta sexta, estiveram no Alvorada o secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Nabhan Garcia, e o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo.

Bolsonaro, família, políticos e membros do governo que viajaram para os Estados Unidos na semana passada fizeram exames na quinta (12), após a confirmação de que o secretário de Comunicação do Planalto, Fabio Wajngarten, contraiu Covid-19, a infecção provocada pelo novo coronavírus.

O secretário, que está em quarentena domiciliar, integrou a comitiva de Bolsonaro na recente viagem à Flórida. Entre outros compromissos, Bolsonaro teve um jantar no resort Mar-a-Lago oferecido pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Wajngarten esteve no encontro e ficou próximo dos dois chefes de Estado. Imagens feitas durante a viagem mostram que o secretário chegou a apertar a mão dos dois chefes de Estado. Questionado sobre o caso na quinta, Trump disse “não estar preocupado”.

Bolsonaro tem sido monitorado pelo serviço médico da Presidência. Ele cancelou compromissos públicas, como uma viagem ao Rio Grande do Norte que estava prevista para esta quinta (12), e usou máscara no Palácio da Alvorada. 

 
Fox News

Mais cedo nesta sexta, a rede de TV norte-americana Fox News divulgou que um primeiro teste feito por Bolsonaro havia dado positivo para coronavírus e que aguardava-se o resultado de um novo teste para confirmar a infecção.

A reportagem atribuiu a informação a um dos filhos do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro. E informou que a Casa Branca, diante da notícia, marcou uma reunião interna de emergência.

Depois de anunciado o resultado negativo, porém, Eduardo Bolsonaro negou, por rede social, que tivesse dito à Fox News que um primeiro exame do presidente havia dado positivo.

Casos no Brasil

Na sexta-feira passada (6), quando o Brasil tinha 13 casos confirmados da doença — nesta quinta-feira (12) o Ministério da Saúde confirmava 77 casos —, Bolsonaro afirmou em um pronunciamento na TV que, ainda que a crise do novo coronavírus pudesse se agravar, "não há motivo para pânico".

Nesta quinta, Bolsonaro fez um pronunciamento em rede nacional de TV. Na fala, o presidente disse que, embora as manifestações marcadas para o próximo dia 15 sejam "legítimas e espontâneas", devem ser repensadas porque não se pode colocar a saúde da população em risco.

Nesta semana, Bolsonaro afirmou, em Miami, que o "poder destruidor" do coronavírus "está sendo superdimensionado", "talvez (...) por questões econômicas". Ele também chegou a dizer, na terça-feira (10), que a "questão do coronavírus" não é "isso tudo" e que se trata muito mais de uma "fantasia" propagada pela mídia no mundo todo.

Bolsonaro também afirmou, após a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarar na última quarta-feira (11) pandemia para a covid-19, que "até o momento, outras gripes mataram mais" que o novo coronavírus. "Eu não acho... eu não sou médico. Eu não sou infectologista. O que eu ouvi até o momento [é que] outras gripes mataram mais do que essa", declarou.