Fá quer reduzir salário dos próximos vereadores em 71,51% e do prefeito em 58%

O novo subsídio representa redução de 71,51% a remuneração atual dos vereadores.

Vereador Geosafá da Silva já apresentou emenda, que se aprovada, os vereadores que tomarem posse em 1º de janeiro de 2021, vão receber R$ 2.886,24 - Foto: Vanderi Tomé/Região News

Embora o projeto do Executivo, que mantém para o próximo quadriênio (2021 a 2024) os atuais salários do prefeito, vice, secretários e dos vereadores de Sidrolândia, ainda sequer tenha começado a tramitar na Câmara, o vereador Geosafá da Silva já apresentou emenda, que se aprovada, os vereadores que tomarem posse em 1º de janeiro de 2021, vão receber R$ 2.886,24. O valor corresponde ao piso nacional dos professores com nível médio de escolaridade para jornada semanal de 40 horas. 

O novo subsídio representa redução de 71,51% a remuneração atual dos vereadores, inclusive Fá, R$ 10.128.90, valor que com os descontos previstos em lei (INSS e Imposto de Renda), cai para R$ 7.778,39. 

Já o subsídio do prefeito, teria um corte de 58%, caindo de R$ 25 mil para R$ 10.500,00. O do vice-prefeito, baixaria de R$ 15 mil para 5 mil, corte de 66,6%. 

Embora a proposta do vereador mencione apenas dois integrantes do 1º escalão, o Procurador do Município e o Controlador, Fá quer reduzir em 66,66% a remuneração dos secretários, de R$ 12 mil para R$ 4 mil, por exemplo.   

Mantido este vencimento para o 1º escalão e o vice-prefeito, surgiria algumas distorções. Eles ganhariam menos, por exemplo, que um conselheiro tutelar, que a partir de 2020, passarão a receber R$ 4.200,00 (hoje recebem R$ 2.700,00). Os fiscais de postura chegam a receber R$ 7.871,95. Contadores, como o secretário de Fazenda, Renato da Silva Santos, recebem R$ 12 mil. Ou seja, se um funcionário destas carreiras se tornarem secretários, optarão pelo salário maior. Não haveria nenhuma economia para os cofres públicos.