Prefeito pede aprovação urgente de suplementação para não comprometer gestão

Com a mudança, a prerrogativa do prefeito de remanejar dotações por decreto passa de R$ 21,51 mi para R$ 75,2 mi.

Com a mudança, a prerrogativa do prefeito de remanejar dotações por decreto passa de R$ 21,51 milhões para R$ 75,2 milhões - Foto: Vanderi Tomé/Região News

O prefeito de Sidrolândia, Marcelo Ascoli, encaminhou ofício à Câmara Municipal, em que reitera o pedido de votação em regime de urgência do projeto que eleva de 10 para 35% a margem de suplementação do orçamento. Com a mudança, a prerrogativa do prefeito de remanejar dotações por decreto passa de R$ 21,51 milhões para R$ 75,2 milhões de um orçamento total de R$ 215,10 milhões.

No documento o perfeito fala em "prejuízos irreversíveis, comprometimento de atividades prioritárias, como as ações de prevenção ao coronavírus", caso não haja aprovação imediata da suplementação.

A proposta está na Câmara desde o último dia 20, mas até agora sequer foi lido para conhecimento do plenário, portanto ainda não foi levada para análise das comissões técnicas. No ofício encaminhado hoje, lista uma relação de serviços, obras, aquisições de produtos que estão emperrados por falta de dotações que somam R$ 2.859.533,92.

Deste total, quase 43%, o que corresponde a R$ 1.228.858,50, são para a Secretaria de Saúde, sendo R$ 1.080.689,96 só para aderir a uma ata de registro de preços do município mineiro de Alto Paranaíba, para aquisição de itens necessários as ações de prevenção ao coronavírus.

Outra dotação expressiva, R$ 1.175.765,73, se destina as obras de drenagem e pavimentação da Rua Hugo Yule, no Morada da Serra, viabilizado com um recurso alocada por emenda parlamentar. Há também dotação, R$ 184.290,00 para atividades da Secretaria de Esporte; R$ 50.193,46, Secretaria de Governo; R$ 42.088.65, para a Secretaria de Fazenda; RS 5.369,48 para a Controladoria e R$3.852, 88 para a Secretaria de Desenvolvimento Econômico.