Em Sidrolândia, Garras apreende armas e prende homem por porte ilegal

Morador residente na cidade que foi preso teria adquirido de um suspeito monitorado pela força tarefa da Operação.

Houve busca e apreensão na casa e no escritório do advogado David Olindo - Foto: Vanderi Tomé/Região News

Um dos mandados de busca e apreensão cumpridos em Sidrolândia, como parte da segunda etapa da Operação Omertà, resultou na apreensão de um revólver Taurus calibre .38, que um morador residente na cidade teria adquirido de um suspeito monitorado pela força tarefa integrada por policiais do Garras e membros do Ministério Público. Foram presos e levados para Delegacia, M.S e H.D.

O rapaz que comprou o revólver estava em companhia de um amigo que informou aos policiais que tinha armas na casa dele, inclusive uma espingarda. Lá foram encontradas 4 espingardas. Houve busca e apreensão na casa e no escritório do advogado David Olindo, que defende Jamil Name e o filho dele, Jamil Name Filho, presos desde setembro, acusados de integrar uma organização criminosa responsável por várias execuções.

Em Campo Grande, o ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, Jerson Domingos, 70 anos, atualmente conselheiro do TCE-MS (Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul), também foi alvo de busca e apreensão nesta manhã, como parte da segunda fase da Operação Omertà.

Depois de quatro horas de ação, Jerson foi levado para a delegacia de Polícia Civil, porque foi encontrada arma ilegal no apartamento dele, no edifício Rennoir, no bairro Royal Park, na região do Shopping Campo Grande.

Domingos deixou o local dirigindo um Hyundai X30, com uma agente de segurança do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime), em direção à sede do Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros). A arma achada, conforme apurado, é de uso restrito.

Na sequência do veículo onde estava Jerson, outros dois carros do Gaeco deixaram a garagem, com integrantes do grupo além de policiais. A movimentação foi intensa durante toda a manhã no local. O advogado de Jerson, Renê Siufi, já estava no Garras à espera da chegada do cliente.

Além do apartamento de Jerson Domingos, as buscas ocorreram no gabinete, no TCE (Tribunal de Contas do Estado) de Mato Grosso do Sul e em propriedades rurais que ficam em Campo Grande e no município de Rio Negro.

Buscas – O apartamento onde Jerson é um dos 18 alvos da segunda fase da Operação Omertà, desencadeada nesta terça-feira (17). Além de Campo Grande e Rio Negro, as ações ocorrem Aquidauana, Rio Verde de Mato Grosso e em João Pessoa (PB).