Prefeito volta atrás e decide manter salário de professores e servidores mesmo com aulas suspensas

O prefeito admitiu que pode não ter recursos para manter a folha em dia, mas se for necessário, vai escalonar os pagamentos conforme a disponibilidade de caixa.

Prefeito Marcelo Ascoli acompanhado da secretária de Educação, Alice Rosa Gomes - Foto: Reprodução/Facebook

O prefeito de Sidrolândia, Marcelo Ascoli, anunciou pelas redes sociais nesta sexta-feira à noite que vai manter os salários dos 221 professores e também dos servidores administrativos contratados da Educação, mesmo no período de suspensão das aulas, por causa da pandemia do coronavirus. 

O prefeito resolveu correr o risco de incorrer em alguma ilegalidade que pode lhe render no futuro processos, diante das manifestações que recebeu desde a divulgação do decreto do toque de recolher com a suspensão dos contratos e funcionários temporários da educação.

"Estamos num período de emergência planetária. As medidas visam poupar vidas, garantir recursos para compra de medicamentos e contratar mais servidores da Saúde. Diante dos apelos que recebi, dos familiares e dos próprios servidores, optei por rever minha decisão inicial.  

Independente de questões legais, optei por garantir o salário destes servidores que não poderiam ficar sem renda para garantir o sustento de suas famílias neste momento difícil". O prefeito admitiu que pode não ter recursos para manter a folha em dia, mas se for necessário, vai escalonar os pagamentos conforme a disponibilidade de caixa.