PSB atrai secretário, filiados de vários partidos e faz chapa para eleger 3 vereadores

O partido tem 29 pré-candidato e até a convenção, em agosto, seis vão ficar de fora, porque só pode lançar 23 nomes.

Secretário de saúde Nélio Paim durante filiação no PSB - Foto: Assessoria

Embora desfalcado do vereador licenciado, Edno Ribas, que foi para o Partido Progressista, acompanhando o deputado estadual Gerson Claro, o PSB em Sidrolândia, manteve lideranças com densidade eleitoral e atraiu o ex-vereador Nélio Paim, secretário de Saúde. Também conseguiu cooptar lideranças emergentes de várias legendas, desde o MDB, passando pelo PDT, PT, PSDB e até do PSD, novo partido do prefeito de Sidrolândia, Marcelo Ascoli.

O partido tem 29 pré-candidato e até a convenção, em agosto, seis vão ficar de fora, porque só pode lançar 23 nomes. O projeto do partido é ambicioso, eleger no mínimo uma bancada de três vereadores, além de ter a expectativa, conforme a evolução do cenário político, até de compor uma das majoritárias que vai disputar a prefeitura.

Do grupo remanescente da eleição de 2016, estão na chapa a ex-secretária de Assistência Social, Joana Michalski, que em 2016 com 413 VOTOS, ficou a 4 votos de garantir uma vaga (ade Otacir Figueiredo eleito com 417 votos). Sérgio Bolzan, vereador de 2012 a 2016 pelo PT, 4 anos depois, não conseguiu se reeleger com 383 votos, melhor desempenho que vários dos eleitos (Celso Pereira, Kenendi Forgiarini, Jean Nazareth e Itamar Souza).

Também está na chapa o ex-secretário de Desenvolvimento Rural, Cesar Queiroz (que teve 164 votos em 2016); Raimundo da Gleba (detentor de 230 votos na última eleição). Dois dos candidatos a vereador do PSD mais votados na eleição de 2016, Ricardo Corneta (238 votos) e Valdeir Pato Roco (207 votos) estão na chapa socialista.

O PDT, que não conseguiu formar chapa, perdeu a fisiculturista Edna Osiro (que em 2016 teve145 votos) e o empresário Jean Baba, dono do restaurante Casarão, que deixou o PP e encaminhava sua filiação à sigla pedetista. A área da saúde vai esta representar por dois candidatos.

A enfermeira Cleide Roque, que era filiada ao MDB e com ligações históricas com o ex-prefeito Daltro Fiuza, deve ter o apoio pessoal do secretário Nélio Paim. Outro postulante é o técnico de enfermagem Adelino Dias, terena da Aldeia Córrego do Meio, irmão de Samuel Terena, que já foi candidato duas vezes, em 2012 pelo PT (234 votos) e na última eleição, pelo PSDB, quando alcançou 266 votos.

Outro reforço importante é o técnico agrícola Clayton Martins, que em 2016 disputando pelo PTN, com os 324 votos, ajudou a eleger o vereador Itamar de Souza (que teve 372 votos). Valdinei Pitó, que em 2018 foi candidato a deputado estadual pelo PT (teve 741 votos, dos quais 568 na cidade), também está na chapa socialista, que tem ainda o tesoureiro do Sindicatos dos Servidores Municipais (Eliel Vaz) e o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (Osvaldo Barbosa).

A chapa de pré-candidatos do PSB

Adelino Dias, indígena,
Alex Correa
Ana Neves - aldeia
Apolônio Sanches
Bete Cortes
Cezar Queiroz
Clayton Martins
Cleide Roque
Edna Osiro
Eliel Vaz
José Eraldo
Evandra Cacho
Everton Braga
Gisele do Santa Lucia
Jean Baba
Joana Michalski
Juscelino Terena
Luzia Arguelho
Milton Amaral
Osvaldo Barbosa
Professora Einy Ferraz
Professora Lilian Nascimento
Raimundinho das Glebas
Ricardo Corneta
Rudi Rafael
Sergio Bolzan
Ueber Arce
Valdeir Pato Roco
Valdinei Pitó