Com quase R$ 530 mil arrecadados, hospital vai equipar desde leitos de UTI até 100 kits de exames do Covid-19

Ainda nesta semana a direção do Hospital Elmiria Silvério Barbosa encaminha ao Ministério Público e ao Sindicato Rural, um relatório detalhado da destinação que vai dar ao dinheiro arrecadado numa campanha filantrópica promovida pela Sindicato Rual que deve terminar na terça-feira.

Presidente do hospital Luiz Carlos da Silva - Foto: Vanderi Tomé

De acordo com o presidente do Sindicato, Paulo Stefanello, até a última sexta-feira tinha caido na conta do hospital perto de R$ 530 mil, valor que deve aumentar quando algumas doações já prometidas se concretizarem.

Segundo o diretor-presidente da entidade mantenedora, Luiz Carlos da Silva, tudo está sendo feito na maior transparência para que a sociedade ( principalmente os doadores) tenham certeza de que cada centavo será aplicado da melhor forma possível. Além dos dois respiradores, que garantirão a instalação de quatro leitos de CTI (Centro de Tratamento Intensivo), a lista de aquisições de insumos, materiais, equipamentos de segurança, inclui  100 kits de exames destinadas a testar pacientes e os profissionais com sintomas da Covid-19.

Na relação de equipamentos que serão comprados, além de dois ventiladores pulmonares, estão um aspirador; um compressor de ar; um desfibrilador (usado para "ressuscitar pacientes infartados)  e um monitor multiparâmetro que verifica de forma contínua os batimentos cardíacos, o que dá suporte para o médico  atuar de forma antecipada, evitando mortes.

Também será comprado o mobiliário de 10 leitos que serão abertos na nova ala, abrangendo 10 camas hospitalares,10 suportes de soro; 10 mesas de cabeceira; uma maca de transferência; dois ar-condicionado; bebedouro; além equipamentos de proteção e segurança (viseiras, máscaras) para a equipe,  suprimento de álcool em gel.

Uma das preocupações do hospital é o custeio do CTI, que por enquanto o Governo do Estado só garante enquanto durar a pandemia do coronavírus. O custo diário é de 4 pacientes calculado em R$ 6.400,00, valor que projetado ao longo de 30 dias, somariam R$ 192 mil, que supera a subvenção mensal que o hospital recebe da Prefeitura. A estrutura de tratamento intensivo vai exigir a contratação de 20 funcionários, inclusive médicos intensivistas, um especialista em falta no mercado.