Prefeitura prorroga quarentena até dia 30 e retarda toque de recolher para às 22 horas

O prefeito de Sidrolândia, Marcelo Ascoli, assinou decreto, que vai ser publicado na edição de amanhã do Diário Oficial, que prorroga por mais 15 dias (de 15 para 30 de abril)

Prefeito Marcelo Ascoli - Foto: Assessoria

O prefeito de Sidrolândia, Marcelo Ascoli, assinou decreto, que vai ser publicado na edição de amanhã do Diário Oficial, que prorroga por mais 15 dias (de 15 para 30 de abril), a quarentena como medida preventiva para evitar a disseminação do Coronavírus e retarda em duas horas o início do toque de recolher que ao invés das 20 horas, começará às 22 horas, se estendendo até às 4 horas da manhã do dia seguinte.

A mudança atende em parte a reivindicação dos empresários do segmento de alimentação, principalmente daqueles com funcionamento noturno que com alegação de prejuízo, com a queda de até 70% no movimento, demitiram até metade dos funcionários ou deram férias para metade deles, caso da Pão de Queijo. A alternativa com entrega delivery, não teria compensado a perda do movimento com o consumo no próprio estabelecimento.

Com o toque de recolher em vigor desde o dia 20 de março, Sidrolândia foi a primeira cidade de Mato Grosso do Sul a adotar a medida, recomendada pela Organização Mundial de Saúde e Ministério da Saúde, como parte da estratégia de isolamento social para reduzir a velocidade da transmissão do novo coronavírus.

Apesar das medidas para restringir a circulação urbana, segundo levantamento divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde, menos da metade da população de Sidrolândia está cumprindo a orientação do isolamento social. Em 18 dias de toque de recolher a Prefeitura já flexibilizou as restrições, diante da pressão dos comerciantes.

Desde segunda-feira passada o comércio voltou a funcionar, com a exigência de controlar o acesso dos clientes, reforço da higienização, recomendação para os funcionários usarem máscaras . A maior parte dos estabelecimentos não está cumprindo as normas . Também foi liberado o atendimento presencial nos restaurantes, com distanciamento de 2 metros das mesas e redução de 30% da capacidade de lotação. Continua proibido o funcionamento dos bares e o consumo em padarias, lanchonetes e conveniências.