Preso por furto de 34 tijolos, pintor é denunciado por desrespeitar toque de recolher em Sidrolândia

O pintor Ronildo França Soares, de 21 anos, tornou-se réu, após o juiz Claudio Muller Pareja, ter acolhido a ação penal pública aberta pelo Ministério Público que denunciou o suspeito por infração de medida sanitária preventiva

Viatura da Policia Militar - Foto: Divulgação

O pintor Ronildo França Soares, de 21 anos, tornou-se réu, após o juiz Claudio Muller Pareja, ter acolhido a ação penal pública aberta pelo Ministério Público que denunciou o suspeito por infração de medida sanitária preventiva. Incurso no artigo 128 do Código Penal, pode ser condenado a pena de um mês a um ano de detenção, mais multa, por “infringir determinação do poder público, destinado a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa”.

Em 20 dias de vigência do toque de recolher em Sidrolândia, que vai até o dia 15 (se não houver prorrogação), com isolamento social restrito, segundo levantamento técnico do sistema de monitoramento do Governo do Estado, a pouco mais de 40% da população e boa parte do comércio ignorando o controle de acesso às lojas, Ronildo por enquanto é o único morador de Sidrolândia, formalmente denunciado pela Justiça, sujeito à punição penal por não respeitar o toque de recolher.

No último dia 26 de março, por volta das 21 horas, o pintor (que tem antecedentes por furto e atos infracionais quando adolescente), foi preso em flagrante pela Polícia Militar na Rua Rio Grande do Norte, quase esquina com a Ponta Porã, quando transportava num carrinho de mão, 34 tijolos (avaliados em R$ 20,00).

Ele alegou ter recebido o material de uma doação, mas foi desmentido pelo presidente da Câmara, Carlos Henrique, morador da região, presente quando a Polícia Militar foi atender a ocorrência. O vereador disse ter testemunhado o pinto retirar os tijolos que sobraram da construção de uma casa na Rua Adolício Pereira, de número 169, no Bairro Altos da Figueira, imóvel pertencente a Ramon Mendonça.

O suspeito teria furtado também o carrinho de mão, conforme denuncia do dono, André Luiz Silveira e seria responsável por uma série de furtos de materiais de constrição na redondeza. Esta é a segunda vez neste ano que Ronildo, se torna réu sob acusação de furto.

Contra ele pesa a acusação de no dia 5 de novembro do ano passado, por volta das 12h19, ter abordado o W.F.V, quando ele esperava ônibus na esquinas das ruas Rio Grande do Norte com a Mato Grosso. Obrigou o jovem a entregar o celular avaliado em R$ 750,00 que trocou numa boca de fumo, conforme ele confessou ao pai da vítima que o procurou.