Com higienização e distanciamento, Igreja fez três cultos no domingo

Igreja Evangélica de Sidrolândia cumpriu a promessa e neste domingo fez três cultos

Álcool 70% sendo passado em fiéis - Foto: Divulgação

Respaldada por uma decisão do Tribunal de Justiça, que suspendeu liminar que proibia manifestações religiosas em Campo Grande, a Igreja Evangélica de Sidrolândia cumpriu a promessa e neste domingo fez três cultos, num desafio a quarentena vigente na cidade desde o último dia 24. Foram três cultos, às 9; 16 e 18 horas, cada um com 37 fiéis, o que corresponde a menos de 15% da capacidade de lotação da igreja, atualmente com quase 300 membros.

Culto que aconteceu na parte desta manhã de domingo na igreja IES.

Não foi permitida a entrada de idosos e crianças, havia álcool em gel 70% para higienização das mãos e mantido o distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as pessoas. No sábado um representante da Defesa Civil do Município esteve na Igreja e constatou que as medidas de biossegurança seriam seguidas e com isto a prefeitura não adotou nenhuma pedida restritiva. Na sexta-feira, o pastor Adilson Machado de Souza, manifestou seu inconformismo cm a quarentena, que ao seu ver, só estava valendo para as igrejas, caracterizando na sua avaliação,” uma medida arbitrária aos religiosos”.

Num vídeo pelas redes sociais, após não conseguir ser recebido pelo secretário de Saúde, Nélio Paim, anunciou que retomaria os cultos neste domingo. Em Campo Grande, neste domingo, pelo menos três mil pessoas, segundo a Polícia Militar, fugiram do isolamento social e foram até a Avenida Afonso Pena, para orar pelo Brasil e rogar bênçãos à população nesse momento de pandemia do novo coronavírus. O ato ecumênico ocorreu em frente à Cidade do Natal. Entre os presentes, muitos católicos, que ignoraram a recomendação do arcebispo Dom Dimas Braga, que vem recomendando o isolamento. As missas tem sido transmitidas pela internet, sem a presença de público.

Liminar

No sábado o desembargador Paschoal Carmello Leandro, presidente do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), acatou pedido de suspensão de segurança impetrado pela prefeitura de Campo Grande e derrubou a decisão em ação civil pública de iniciativa do MPMS (Ministério Público Estadual), que proibia a realização de atividades religiosas de qualquer natureza com a presença de público.

No início do mês, o desembargador Amaury da Silva Kuklinski, atendendo a pedido do MPMS, havia proibido as celebrações presenciais em igrejas para evitar aglomerações. Em recurso, a Prefeitura da Capital alegou que o veto “cria uma incoerência no contexto atual, já que diversos decretos municipais, ao enfrentar o dilema saúde x economia, autorizou [sic] com as restrições devidas (regras de biossegurança) a abertura de diversos estabelecimentos comerciais, em que há a circulação de pessoas, com objetivo maior de impulsionar a economia e preservar empregos e renda à população”.