Polícia encontra rodas e pneus retirados de carro de taxista morto por trio em Campo Grande

As duas mulheres e um adolescente de 17 anos, apontados como autores do crime, já foram detidos.

Pneus estavam em matagal, no Rita Vieira. - Foto: Dayene Paz

A Polícia Civil encontrou as rodas e os pneus retirados do carro do taxista Luciano Barbosa, 46 anos, que foi morto por um trio na noite do último sábado (25), em Campo Grande. Os objetos estavam em um matagal no bairro Rita Vieira. As duas mulheres e um adolescente de 17 anos, apontados como autores do crime, já foram detidos.

Investigadores da Defurv (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos) estiveram no local na tarde desta terça-feira (28) e realizaram os trabalhos de praxe. Rodas e pneus estavam intactos, abandonados no local, uma área de mata, que faz divisa com o Jardim Itamaracá. Os objetos foram apreendidos e levados para a delegacia.

O trio agiu de maneira cruel para vender o veículo do taxista. Após matar Luciano, os envolvidos desovaram o corpo no Indubrasil e levaram o carro, primeiro para o bairro Guanandi, em seguida para o Santa Emília.

A Justiça determinou prisão preventiva para as duas mulheres de 19 e 21 anos envolvidas no assassinato. Elas foram presas no Jardim São Lourenço, na Capital, nesta segunda-feira (27). Já o garoto de 17 anos que atirou na cabeça do taxista será encaminhado para uma Unei (Unidade Educacional de Internação). Ele já havia deixado a Unei, em março deste ano depois de ser apreendido em um sequestro do qual participou em janeiro.

O adolescente não se demonstrou apreendido quando prestou depoimento à polícia após sua prisão. Ele contou que fez a vítima ajoelhar no matagal e atirou.

Plano de roubo

O garoto teria decidido cometer o crime junto da jovem de 21 anos depois da dupla sair de uma festa. A namorada dele, de 19 anos, teria solicitado a corrida por meio de aplicativo usando uma conta de um ex-namorado, que não tem envolvimento no crime.

O adolescente teria entrado em contato com o irmão que está preso no Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande para pegar o contato de um homem identificado como ‘Paraguaio’ para poder levar o carro até Sidrolândia. O veículo seria entregue na cidade por R$ 12 mil. O trajeto da corrida até a morte de Luciano durou 18 minutos, e quando anunciado o assalto o garoto teria feiro o disparo contra o taxista.

O carro foi abandonado primeiro no bairro Guanandi, depois levado por uma outra pessoa que ainda não foi identificada para o Santa Emília. O corpo de Luciano foi desovado no Indubrasil e a arma usada foi encontrada na casa onde os três moravam.