Apreensões de droga em rodovias estaduais de MS aumentam 130% em 2020

Com maconha até em carregamentos de peixe congelado, apreensões já representam 40% do volume retido em 2019.

Fardos de maconha encontrados em caminhão no dia 18 de abril, em Amambai, a maior apreensão de 2020 até agora - (Foto: Divulgação)

Com maconha encontrada até em caixas de peixe congelado, as apreensões de drogas aumentaram 130% nas rodovias estaduais de Mato Grosso do Sul no primeiro quadrimestre de 2020 em comparação com igual período do ano passado. O crescimento é “fora da curva”, já que normalmente as apreensões aumentam no segundo e terceiro quadrimestres do ano.

De acordo com balanço divulgado nesta terça-feira (5) pela PMR (Polícia Militar Ambiental), que vigia as rodovias estaduais de Mato Grosso do Sul, de janeiro a abril deste ano foram apreendidas 37,4 toneladas de drogas, principalmente maconha. No mesmo período de 2019 foram 16,3 toneladas. De janeiro a abril de 2018 foram 19,4 toneladas apreendidas pela PMR e 17,6 no mesmo período de 2017.

É tanta droga interceptada em 2020 nas estradas estaduais que o volume apreendido de janeiro até agora representa 40% das 89,5 toneladas retidas em 2019, quantidade recorde até então. “Nos últimos 12 meses, de maio de 2019 a abril de 2020, apreendemos mais de 110 toneladas”, afirmou ao Campo Grande News o comandante do Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel Wagner Ferreira da Silva.

Abril de 2020 foi o mês com maior volume de apreensões de drogas de toda a história da corporação. Foram 27 toneladas apreendidas no mês passado contra as 16,2 toneladas registradas em dezembro de 2017 (o maior volume de apreensão em único mês até então). A maior apreensão foi feita no dia 18 de abril em Amambai. Foram 12,2 toneladas de maconha encontradas em um caminhão.

Além dos quase 38 mil quilos de drogas apreendidos de janeiro a abril, a PMR registrou 93 flagrantes e apreendeu 72 veículos, sendo oito caminhões e três motocicletas.

Foram 129 pessoas presas por envolvimento com o tráfico de drogas, dos quais 73,6% eram homens. A estimativa aponta prejuízo de pelo menos R$ 40 milhões causado ao crime organizado. Conforme a Militar Ambiental, a maconha e seus derivados representaram 99% de todas as apreensões feitas neste ano.

“Cavalo doido” - A PMR identificou também que o modo de operação dos traficantes se diversifica a cada dia, com destaque para os chamados “cavalos doidos” – quando criminosos circulam nas rodovias em alta velocidade sem se preocupar em ocultar as cargas de drogas. Outra estratégia bastante conhecida continua sendo a aposta dos traficantes: o transporte de droga em meio a cargas de milho e soja a granel.

“Enfrentar o tráfico de entorpecentes nas rodovias estaduais interrompe um ciclo criminoso, descapitaliza o crime organizado e contribuiu diretamente na diminuição da violência urbana”, afirmou o tenente-coronel Wagner Ferreira da Silva.

Entre as causas do aumento das apreensões estão a maconha represada com o fechamento das fronteiras em razão da pandemia do novo coronavírus em março e o aumento da abordagem de veículos suspeitos, só possível graças à redução do tráfego em função das medidas de isolamento.

Outros motivos citados são a Operação Hórus, que ampliou o trabalho integrado entre as polícias, e o uso eficaz do efetivo em ações ostensivas nas barreiras sanitárias e em pontos das rodovias estaduais considerados sensíveis.