Em live, prefeito admite quarentena mais restritiva para barrar avanço do Covid-19

Os últimos indicadores divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde mostram que quase 60% dos sidrolandense estão tocando a vida.

prefeito Marcelo Ascoli admite que pode restringir a quarentena vigente na cidade. - Foto: Leoni Marcos/Região News

Com 4 casos confirmados, mas ainda sem nenhuma contaminação comunitária, todos os pacientes contraíram o vírus fora de Sidrolândia, o prefeito Marcelo Ascoli admite que pode restringir a quarentena vigente na cidade desde o dia 20 de março, caso a população continue a ignorar a recomendação de ficar em casa, evitar circular pela cidade.

Os últimos indicadores divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde mostram que quase 60% dos sidrolandense estão literalmente tocando a vida, indiferentes aos riscos da pandemia, se aglomerando nos supermercados, inclusive idosos, nas rodinhas de tereré, bebendo nas conveniências, reunindo os amigos em confraternizações em casa. O isolamento e o distanciamento social são considerados fundamentais para quebrar a curva de transmissão do vírus.

Uma quarentena restritiva significaria limitar o funcionamento do comércio a apenas alguns serviços essenciais, como supermercados, postos de combustível, farmácias, indústrias como os frigoríficos, transporte coletivo usado basicamente pelos funcionários de uma delas, a JBS. Toque de recolher a partir das 20 horas.

As regras mais restritivas só valeram por uma semana. O prefeito teve que se render as pressões dos comerciantes, temerosos de uma quebradeira em cascata. Depois flexibilizou para os segmentos de serviço, em abril permitiu a volta das feiras livres, retardou para às 22 horas o início do toque de recolher e liberou o funcionamento dos supermercados aos domingos. Mais recentemente autorizou a realização de manifestações religiosas em ambientes fechados.

Numa cidade onde ainda não houve nenhuma morte, as unidades de saúde estão vazias e os 15 leitos hospitalares reservados para pacientes de Covid-19 permanecem vazios, não é fácil convencer as pessoas a ficar em casa. Como praticamente metade da força de trabalho com carteira assinada está em duas empresas que não pararam suas atividades, está peculiaridade por si só limita o teto, em termos percentuais o índice de adesão ao isolamento.

Há muita gente na informalidade, que de alguma forma precisa manter suas atividades para ter renda ou correr atrás nas filas da Caixa Econômica Federal do auxílio emergencial de R$ 600,00 liberado pelo Governo Federal. Outro contingente expressivo é o de aposentados, beneficiários do LOAS, precisam ir às agência bancárias para receber. 

⚠️BOLETIM CORONAVÍRUS - Sidrolândia-MS⚠️ 4º caso de Covid-19 registrado em nosso município.

Publicado por Marcelo Ascoli em Segunda-feira, 11 de maio de 2020