Em escalada progressiva, coronavírus está presente em 40% do território sul-mato-grossense

A interiorização da Covid-19 preocupa as autoridades de saúde.

Descoberto pela ciência há seis meses, o novo coronavírus (Covid-19) já está presente em 40% do território de Mato Grosso do Sul. Dados divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) nesta quarta-feira (13/5) mostram que 32 dos 79 municípios sul-mato-grossenses registraram a doença. “Escalada progressiva”, definiu o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende.

Em live nas redes sociais do Governo do Estado, a secretária-adjunta da SES, Christinne Maymone, detalhou o boletim epidemiológico da Covid-19. Foram 430 infecções confirmadas desde o início da pandemia. Desse total, 212 pessoas estão recuperadas da doença. Outras 188 seguem tratamento em isolamento residencial, 17 estão internadas em hospitais e 13 não resistiram e acabaram perdendo a vida.

A situação mais crítica é registrada em Guia Lopes da Laguna, onde a incidência da doença é de 464,9 casos por 100 mil habitantes – uma das piores do Brasil. Outras cidades que estão em alerta são Brasilândia (126,3 casos por 100 mil habitantes), Sonora (67,4 casos/100 mil habitantes) e Três Lagoas (61,8 casos/100 mil habitantes). A interiorização da Covid-19 preocupa as autoridades de saúde.

Para elas, a batalha contra o novo coronavírus só será vencida com o isolamento social. Isso enquanto não houver vacinas contra a patologia. O uso de máscaras e o reforço com a higiene pessoal, para o secretário Geraldo Resende, são outros “ingredientes” que ajudam prevenir o contágio do vírus. 

O vídeo completo com informações sobre a situação do coronavírus em Mato Grosso do Sul pode ser conferido no Facebook do Governo do Estado: facebook.com/GovernodeMatoGrossodoSul.

Live

Diante da pandemia do novo coronavírus e da frequente necessidade de utilizar a informação como ferramenta de saúde, o Governo do Estado adotou o formato de entrevistas coletivas online transmitidas pelas redes sociais para informar jornalistas e sociedade sobre a situação da doença no Estado, evitando assim a propagação de fake news.