DNIT começa correção do pavimento antes de aplicar lama asfáltica na Avenida Dorvalino

O serviço antecede a aplicação de lama asfáltica, o chamado micro revestimento que é um serviço de manutenção periódica.

Em alguns trechos, onde o pavimento está mais desgastado, serão feitos remendos profundos. - Foto: Marco Tomé/Região News

Equipes da Engepar Engenharia, empreiteira contratada, estão trabalhando na pista sentido Maracaju da Avenida Dorvalino dos Santos, trecho urbano da BR-060, na correção de trechos danificados, com a retirada do asfalto antigo e aplicação de nova capa.

O serviço antecede a aplicação de lama asfáltica, o chamado micro revestimento que é um serviço de manutenção periódica da rodovia. A empresa fará o serviço num trecho de 138,2 km, entre Campo Grande e Nioaque no trevo da Pedra, ponto de conexão com a MS-166, ligação com Maracaju e Antônio João.

Segundo o engenheiro supervisor do serviço, o asfalto está em boas condições, mas vai ser feita a correção de algumas imperfeições decorrentes do tráfego e da infiltração de água da chuva, será aplicada a lama asfáltica que cobrirá as rachaduras (trincas) abertas naturalmente com o processo de deterioração do pavimento.

Em alguns trechos, onde o pavimento está mais desgastado, serão feitos remendos profundos, o asfalto antigo é retirado e aplicado um novo pavimento. Este serviço já foi feito no trevo da Pedra em Nioaque.

A Engepar foi contratada pelo DNIT, ao custo de R$ 14,2 milhões, para fazer a manutenção deste trecho da BR-060 (de Campo Grande e a Nioaque) e mais um trecho do anel rodoviário da Capital, entre as saídas para Aquidauana e Sidrolândia, numa extensão de 33,9 km. O contrato abrange conservação rotineira, como tapa-buracos, remendos, limpezas de sarjetas e bueiros, capina e roçada, pintura de faixas e destocamento de árvores.

Está prevista a ainda a correção preventiva periódica de defeitos por fresagem e aplicar micro revestimento a frio. Em Mato Grosso do Sul, a BR-060 começa na ponte sobre o Rio Apa, em Bela Vista, fronteira do Brasil com o Paraguai e termina em Chapadão do Sul, na divisa com Goiás.

O DNIT contratou, em julho de 2019, a empresa mineira Civilpav Construções LTDA para recuperação e conservação de outros 143 quilômetros da BR-060, entre o entroncamento com a MS-324, em Paraíso das Águas, até a ligação com a BR-163 em Bandeirantes, ponto conhecido como Congonha. O pagamento foi fixado em R$ 16,2 milhões.