Clubes espanhóis estão autorizados a organizar treinos coletivos a partir desta segunda

Planejamento é que partidas sejam retomadas em junho, até dia 12, para jogadores que estão desde o dia 4 de maio em trabalhos individuais

Messi treina no Barcelona — - Foto: EFE/EPA/MIGUEL RUIZ / FC BARCELONA

O governo espanhol autorizou os clubes de futebol a organizar treinos coletivos com no máximo 10 jogadores a partir desta segunda-feira. LaLiga, entidade que rege o Campeonato Espanhol, pretende retomar a competição em meados de junho, depois de mais de dois meses de suspensão devido à pandemia do novo coronavírus.

As novas medidas de relaxamento progressivo do confinamento anunciadas pelo governo espanhol significam que Real Madrid, Atlético de Madrid e Barcelona poderão voltar a treinar em grupos. Ainda que a capital da Espanha e a Catalunha, duas das regiões mais afetadas pelo covid-19 na Espanha, sigam em estado de alerta.

Espanyol, Leganés, Getafe e Real Valladolid também poderão voltar a treinar coletivamente, apesar de pertencer às regiões de risco. O restante dos clubes do Campeonato Espanhol se encontram em regiões que já superaram a fase mais rigorosa do confinamento.

Essa decisão é mais um passo rumo à ideia de LaLiga de retomar sua competição profissional (primeira e segunda divisão) em meados de junho, seguindo o modelo do Campeonato Alemão, retomado no sábado passado com jogos de portões fechados e sob rigoroso protocolo sanitário.

De acordo com o Diário Oficial espanhol, os clubes profissionais "poderão desenvolver treinamentos de caráter total dirigidos para uma modalidade esportiva específica, cumprindo com as correspondentes medidas de prevenção e higiene".

Segundo o documento, no máximo 14 atletas poderão treinar juntos. LaLiga, porém, informou que se limitará a reunir 10 jogadores de futebol por sessão de treinamento.

O Campeonato Espanhol está suspenso desde 14 de março. LaLiga calcula que os clubes perderão cerca de 1 bilhão de euros caso a temporada não possa ser concluída.