Fernando Alonso volta à Fórmula 1 na temporada 2021 pela Renault

Será a terceira passagem do espanhol de 38 anos pela equipe francesa, pela qual conquistou seus dois títulos mundiais, em 2005 e 2006

O desejo de Fernando Alonso e da Renault é o retorno aos dias de vitórias, como nas temporadas de 2005 e 2006 — - Foto: Clive Rose/Getty Images

Fernando Alonso voltará à Fórmula 1 na temporada de 2021. O espanhol de 38 anos assinou contrato com a Renault, equipe pela qual foi bicampeão mundial, em 2005 e 2006. Alonso estava fora da categoria desde o fim de 2018, quando decidiu deixar a McLaren. No ano seguinte, o piloto ainda fez dois testes pela equipe, mas sem correr. A Renault confirmou a contratação do espanhol nesta quarta-feira.

"A Renault é minha família, minhas melhores lembranças na Fórmula 1 com meus dois títulos mundiais, mas agora estou olhando para o futuro. É uma grande fonte de orgulho e, com uma imensa emoção, estou retornando à equipe que me deu a chance no início da minha carreira e que agora me dá a oportunidade de retornar ao mais alto nível. Tenho princípios e ambições alinhados ao projeto da equipe. Seu progresso neste inverno dá credibilidade aos objetivos da temporada de 2022 e vou compartilhar toda a minha experiência de corrida com todos, desde engenheiros até mecânicos e meus companheiros de equipe. A equipe quer e tem os meios para voltar ao pódio, assim como eu", disse Alonso.

O bicampeão ocupará a vaga que será deixada pelo australiano Daniel Ricciardo, que deixará o time no fim da temporada 2020. Alonso será companheiro de equipe do francês Esteban Ocon, que estreia pelo time francês no campeonato deste ano. Alonso assinou por dois anos, com opção para mais um, até 2023.

Desde que deixou a Fórmula 1, Alonso deu a entender que poderia retornar à categoria caso tivesse um pacote competitivo. No entanto, as portas de Mercedes, Ferrari e RBR, as três principais equipes das últimas temporadas, jamais estiveram abertas.

- A contratação de Fernando Alonso faz parte do plano do Grupo Renault de continuar seu compromisso com a F1 e retornar ao topo do grid. Sua presença em nossa equipe é um ativo formidável no nível esportivo, mas também para a marca à qual ele está muito apegado. A força do vínculo entre ele, a equipe e os fãs faz dele uma escolha natural. Além dos sucessos do passado, é uma escolha mútua ousada e um projeto para o futuro. Sua experiência e determinação nos permitirão tirar o melhor proveito um do outro para levar a equipe à excelência exigida pela moderna Fórmula 1. Ele também trará para a nossa equipe, que cresceu muito rapidamente, uma cultura de disputa e vitória para superar obstáculos juntos. Ao lado de Esteban, sua missão será ajudar a Renault a se preparar para a temporada de 2022 nas melhores condições possíveis - disse o chefe da equipe, Cyril Abiteboul.

FERNANDO ALONSO NA FÓRMULA 1

TEMPORADAS 17 (2001, 2003-2018)
EQUIPES 4 (MINARDI, RENAULT, McLAREN E FERRARI)
CORRIDAS 315
VITÓRIAS 32
POLE POSITIONS 22
VOLTAS MAIS RÁPIDAS 23
PÓDIOS 97
TÍTULOS 2 (2005 E 2006)

Terceira passagem pela Renault

Fernando Alonso estreou na Fórmula 1 em 2001, pela Minardi. Em 2002, não correu, mas foi reserva da Renault e só passou a titular em 2003. Com uma excelente temporada, o espanhol fez a suas primeiras poles e conquistou a primeira vitória na Hungria, dando uma volta no então pentacampeão Michael Schumacher.

Em 2005, a Renault começou a temporada com o melhor pacote, e Alonso aproveitou para abrir vantagem no campeonato. Depois, mesmo com a pressão da McLaren e Kimi Raikkonen, o espanhol chegou ao primeiro título com um terceiro lugar no GP do Brasil. O espanhol terminou o ano com sete vitórias.

Na temporada de 2006, a Renault continuou forte, e novamente Alonso dominou a primeira parte do campeonato. No meio do ano, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) proibiu os amortecedores de massa usados pela Renault, e o espanhol foi alcançado por Schumacher e a Ferrari. Mas no fim, Alonso foi bicampeão, também no Brasil.

Para 2007, Alonso fez uma badalada transferência para a McLaren, mas aí ele encontrou o estreante Lewis Hamilton cheio de apetite. O espanhol reclamou a condição de número 1 do time e acusou a equipe de prejudicá-lo para beneficiar um piloto inglês. No fim, nem Alonso nem Hamilton ganharam o título, que ficou com Raikkonen.

De volta à Renault, o bicampeão teve um ano difícil em 2008 e só venceu em Singapura, quando o chefe Flavio Briatore coagiu Nelsinho Piquet a bater de propósito para beneficiar a tática do espanhol. Alonso ainda venceu no Japão e foi o quinto na tabela, mas, após um 2009 decepcionante, trocou a Renault pela Ferrari.

Frustrações na Ferrari e McLaren

Na equipe italiana, Alonso estreou vencendo, mas na disputada temporada de 2010 acabou superado por Sebastian Vettel na decisão em Abu Dhabi, após um erro estratégico da Ferrari no pit stop. Alonso ainda foi vice em 2012 e 2013, mas, depois de uma fraca temporada em 2014, deixou a equipe pela porta dos fundos.

De volta à McLaren, o espanhol apostava na parceria com a Honda, mas o que se viu foi um fracasso retumbante. Tão retumbante que Alonso, sempre ácido nas críticas, reclamou do motor numa corrida justamente no Japão. Em 2018, a McLaren trocou os motores da Honda pelos da Renault muito por causa da pressão de Fernando.

Mas a equipe continuou com dificuldades, e Alonso perdeu de vez a paciência. Deixou a F1 e passou a correr em outras competições, como Mundial de Endurance, Fórmula Indy e até Rali Dacar. Venceu as 24 Horas de Le Mans e se arriscou nas 500 Milhas de Indianápolis para tentar a Tríplice Coroa.

Agora, se aproximando dos 40 anos de idade, o bicampeão mundial tentará reescrever suas páginas vitoriosas na categoria que o consagrou. Resta saber se, como há 15 anos, Fernando Alonso terá meios e, principalmente, paciência para enfrentar os desafios do projeto Renault.