Produção industrial de janeiro tem menor queda desde 2014

O índice, que abaixo de 50 demonstra recuo em relação ao mês anterior, ficou em 48,4 pontos em janeiro.

Produção industrial do mês de janeiro fechou em 48,4 pontos por conta do fim das encomendas para o fim de ano - Foto: Isac Nóbrega/PR

A produção industrial de janeiro teve a menor queda no mês desde 2014, de acordo com o relatório de Sondagem Industrial divulgado hoje (23), em Brasília, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O índice, que abaixo de 50 demonstra recuo em relação ao mês anterior, ficou em 48,4 pontos em janeiro.

Segundo a CNI, a queda na produção em janeiro e em dezembro era esperada."A produção industrial costuma ser menor nesses meses devido ao fim das encomendas para as vendas de fim de ano", argumenta a CNI.

Em 2017, o índice foi 44,2 pontos. Quanto mais distante de 50, maior a queda. Em 2016, chegou a 39,7 pontos; em 2015, a 42,7; e em 2014, a 47,4 pontos. Em 2013, o índice foi maior que em 2018: 48,6 pontos.

A queda da produção foi maior nas indústrias extrativas (44,4 pontos) e nas de pequeno porte (44,2 pontos). As indústrias de grande porte apresentaram crescimento, com índice acima dos 50 pontos, atingindo a marca de 51,1 pontos em janeiro.

Assim como a produção, o emprego nas indústrias também diminuiu. O índice fechou em 48,6 pontos em janeiro de 2018. A queda, no entanto, foi a menos intensa dos últimos quatro anos para o mês. A queda ocorreu mesmo nas indústrias de grande porte, que apresentaram um índice de 49,8 pontos.  

Ociosidade do parque produtivo permanece alta, diz CNI

De acordo com a sondagem, a ociosidade do parque produtivo permanece alta. Em janeiro, a utilização da capacidade instalada (UCI) alcançou 65%, alta de 1 ponto percentual frente ao mês anterior. O indicador evoluiu em relação a janeiro de 2017 e de 2016, mas ainda permanece abaixo da média para o início de ano, de 70%. 

Em relação aos estoques, houve ligeira queda e o estoque efetivo ficou pouco abaixo do planejado (49,2 pontos), mas, segundo a CNI, ainda "sob controle".

Mesmo com queda na produção em janeiro, empresários estão otimistas e a indústria espera, pela primeira vez em quase quatro anos, aumentar o número de empregados nos próximos seis meses. A última vez que isso aconteceu foi em março de 2014.

O índice que mede a expectativa da indústria em aumentar o número de empregados ficou em 51,2 pontos em fevereiro. Em março de 2014, o índice chegou a 51,8 pontos. O índice de intenção de investimento também aumentou, alcançando 53,6 pontos neste mês, o maior desde maio de 2014, quando somou 54,6 pontos.