Rani Yhaya sobe ao octógono em Orlando em meio à morte da mãe: "Período louco"

Peso-galo teve que interromper o camp nos Estados Unidos há 11 dias depois de perder a mãe.

Rani Yahya na balança da pesagem do UFC Orlando - Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC / Getty Images

O peso-galo Rani Yahya subirá ao octógono do UFC neste sábado para uma luta especial. Não será sua estreia na organização, não será sua última luta na carreira, não será pela disputa do cinturão, ou qualquer outra coisa relacionada ao esporte. Aos 33 anos, o lutador nascido em Brasília vai marcar presença no UFC Orlando 11 dias depois da morte de sua mãe. Ainda assim, ele garante estar motivado para enfrentar Russell Doane.

Ela faleceu há dez dias, tive que voltar para o Brasil. Estava fazendo meu camp na ATT e tive que voltar para me despedir, para participar do enterro, e foi um período louco. Mas aceito, é uma decisão divina e a gente tem que aceitar. E estou motivado - garantiu o lutador ao Combate.com.

A homenagem que fará à mãe será estar presente num lugar em que ela sempre o apoiou a estar. Rani Yahya soma cinco vitórias nas últimas seis lutas e vem de triunfo contra Enrique Briones em agosto do ano passado.

Planejo dar meu melhor e conto com a proteção (dela). Minha mãe era uma fã minha, foi a pessoa que me incentivou sempre a fazer esporte, sempre me acompanhava, vinha ver minhas lutas e torcer por mim. E sempre acreditou em mim, é um momento muito especial esse.

Rani - que tem um cartel com 24 vitórias e nove derrotas - fez sua preparação na Flórida, na American Top Team, e tem se preparado há mais tempo que o normal, já que quase participou do card de Belém, em 3 de fevereiro.

Foi muito boa a preparação. Antes mesmo de a luta ser marcada, já vinha treinando. Houve uma possibilidade de lutar em Belém, então já estava em ritmo de treino. E chegando aqui na ATT fizemos muitas coisas específicas para ele (...). A vitória é o mais importante, vou entrar buscando a minha melhor performance. Me sinto cada vez mais confortável lá, me sinto em casa no octógono. Não era assim no começo, rolava realmente uma ansiedade bem maior. O Respeito, ele tem seu valor, mas vou acabar com ele.

Sobre Russell Doane, que tem 15 vitórias e sete derrotas no cartel, Rani pontuou as derrotas do rival nas últimas lutas. Antes de vencer o sul-coreano Kwan Ho Kwak em junho do ano passado, o americano havia perdido as quatro anteriores.

Dessas quatro lutas que ele perdeu, a bem legítima mesmo foi para o Pedro Munhoz, uma finalização. Ele perdeu para o Mirsad Bektic, que o finalizou, mas ele pegou a luta com uma semana antes e na categoria de cima (dos penas), estava ali para tapar um buraco na categoria que não era dele. E as outras duas foram decisões que foram bem parelhas, uma inclusive achei que ele venceu. Tem seu valor, é claro, mas estou pronto para dar meu melhor. Não estou contando muito com a capacidade dele, mas com a minha.

O Combate transmite o UFC Orlando neste sábado, a partir de 18h15 (horário de Brasília) ao vivo, na íntegra e com exclusividade. O Combate.com transmite as duas primeiras lutas do card preliminar em vídeo e acompanha o restante do evento em Tempo Real. Confira o card completo:

UFC Fight Night 24 de fevereiro de 2018, em Orlando (EUA) CARD PRINCIPAL (22h, no horário de Brasília): Peso-pena: Josh Emmett x Jeremy Stephens Peso-palha: Jéssica Bate-Estaca x Tecia Torres Peso-meio-pesado: Ovince St-Preux x Ilir Latifi Peso-meio-médio: Mike Perry x Max Griffin CARD PRELIMINAR (18h30, no horário de Brasília): Peso-galo: Renan Barão x Brian Kelleher Peso-galo: Sara McMann x Marion Reneau Peso-palha: Angela Hill x Maryna Moroz Peso-meio-médio: Ben Saunders x Alan Jouban Peso-meio-pesado: Sam Alvey x Marcin Prachnio Peso-galo: Rani Yahya x Russell Doane Peso-mosca: Eric Shelton x Alex Perez Peso-galo: Albert Morales x Manny Bermudez