Imoveis a Venda | Classificados | Super Galeria | Videos

REDAÇÃO (67)3272-6466

Noticia de: 09 de Outubro de 2017 - 07:00

Prefeitura baixa novo pacote de corte para reduzir custeio e folha com veto a acumulo de gratificações

O decreto oficializa medidas clássicas de contenção como proibição no próximo trimestre do pagamento de indenização de férias; novas contratações; pagamento de licença prêmio.






 

Prefeito materializou em decreto, novas medidas para cortar gastos com pessoal e custeio -
FOto: Reginaldo Mello/Região News


 
No lado do custeio, houve um corte de 20% na cota de combustível disponível para as repartições públicas"
 

O prefeito Marcelo Ascoli materializou em decreto publicado na edição desta segunda-feira (09) do Diário Oficial, novas medidas para cortar gastos com pessoal e custeio. De forma oficial, passa a ser proibido o acumulo de gratificações (de representação e dedicação exclusiva) concedidas no início da gestão que praticamente dobravam o vencimento base dos beneficiados. Atinge principalmente os comissionados (que desde 2012 não tem reajuste salarial) e funcionários efetivos com cargos de chefia.

No lado do custeio, houve um corte de 20% na cota de combustível disponível para as repartições públicas. O contingenciamento será feito diretamente na bomba dos postos fornecedores de combustível para a Prefeitura. 

O serviço mais afetado será a manutenção da manutenção das estradas vicinais, embora neste período de chuva, o trabalho fique prejudicado e as ações limitadas a intervenções pontuais para socorres situações emergenciais, especialmente, em trechos do transporte escolar.

O decreto oficializa medidas clássicas de contenção como proibição no próximo trimestre do pagamento de indenização de férias; novas contratações (inclusive estagiários); pagamento de licença prêmio. As horas extras, com exceção daquelas previamente autorizadas pelo Prefeito Municipal e devidamente justificadas, estão limitadas há 30 horas mensais, sejam elas 50% ou 100%.

Está suspenso também o pagamento de diárias e ajuda de custo; a realização de viagens e a participação em congressos, simpósios, palestras, cursos e outros eventos, que gerem custos, com exceção das estritamente inadiáveis destinadas à resolução de assuntos institucionais e autorizadas diretamente pelo Prefeito Municipal. Só serão realizados os eventos culturais, esportivos, recreativos e outros similares que não estejam previstos no orçamento e com recursos financeiros reservados para seu custeio.

A economia de Guerra, que na prática desde agosto vem sendo adotada, incluindo dispensa de contratados, corte de gratificações, redução dos gastos com fornecedores e prestadores de serviço (o que levou a rescisão de contratos com terceirizadas do transporte escolar), é a uma alternativa das dificuldades que se avizinham para a Prefeitura fechar o último trimestre, quando terá o desafio de pagar quatro folhas (outubro, novembro, dezembro e o 13º), além da indenização de férias dos professores.

Ao contrário de 2016,  com exceção da receita do ITR e do repasse adicional 1% do FPM, não haverá receitas extras. Ano passado, o ex-prefeito Ari Basso, contou com R$ 4,3 milhões extra, sendo R$ 2,5 milhões obtidos com a venda da folha de pagamento ao Bradesco por mais 5 anos, e o dinheiro da repatriação (e R$ 1,8 milhão, exatos R$ 1.843.000,00).

O último relatório de gestão fiscal mostra números preocupantes, em relação, por exemplo, ao comprometimento da receita com pessoal. 

No caso da folha de pagamento, mesmo com algumas medidas já adotadas - corte de contratados, redução de gratificações, troca de contratados por estagiários para atuarem como auxiliar de creche, corte do adicional de pós-graduação aos professores contratados (que também não receberam a segunda parcela da equiparação salarial) - os gastos com pessoal ainda estão altos, acima do teto da Lei de Responsabilidade Fiscal (54% da receita líquida).

Tendo como parâmetro o período de janeiro a agosto, a Prefeitura gastou R$ 50.561.607,80, com pessoal (em média R$ 6,320 milhões por mês), o que corresponde a 58,69% da receita corrente, que somou R$ 86.144.791,87. Teoricamente para fechar 2017 nos 54%, se o comportamento da receita não se alterar, no quadrimestre setembro/dezembro, será preciso cortar estes gastos em 7,99%, mais de R$ 4 milhões no período.

A situação é um pouco melhor se o período a ser avaliado forem os últimos 12 meses (agosto de 2016 a agosto a 2017). Neste período a Prefeitura gastou R$ 75.856.028,23, enquanto a receita líquida somou R$ 134.410.711,92. Isto significa que 56,43% da receita foram gastas com salários, 4,5% acima do teto. Ainda em relação a despesas, a Prefeitura leva para o último trimestre um saldo a pagar em torno de R$ 5,8 milhões, considerando que de R$ 84,7 milhões em despesas efetivadas (as liquidadas) houve o pagamento de R$ 8.207.593,5.

Leia mais: Balanço apresentado na Câmara mostra que folha de pagamento compromete 56,43%








Flávio Paes - Região News


Reportar Erros



 


 
.
BRASIL

Temer planeja anunciar criação de Ministério da Segurança Pública após carnaval
MATO GROSSO DO SUL

Sefaz disponibiliza canal de atendimento virtual ao cidadão por meio da ...
MATO GROSSO DO SUL

Aberto cadastro de profissionais para atuarem em Cursos Técnicos na Educação ...
BRASIL

Temer anuncia força-tarefa para cuidar do fluxo migratório de venezuelanos em Roraima
 
 
  • Notícias
  • + Lidas







© Regiao News - Todos os Direitos Reservados.
contato@regiaonews.com.br
+ 55 67 3272 6466
Desenvolvido por:
MD-WEBMARKETING